quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Minha Palavra

A palavra que me cabe não é a mesma que te cala.
Nem dita em gritos em zumbidos ouviria...
É plural mais quer ser singular.

Minha palavra não se traduz, se faz em pensamentos,
Atitudes, risadas, lágrimas e afins! (...)
Não tem um significado concreto,
Nem abstratação que valha,
É apenas real.

Clama por ser ouvida,
dinfundida, debatida,
tida, contida, rebatida,
embebecida, aniquilaria, ou não! (...)
Minha palavra quer ser tua,
Como tua é a vontade de reproduzi-la.

Um comentário:

J. Neto disse...

Se todos dissessem em palavras o que voce diz aqui em texto, sim, o mundo ficaria bem melhor. Mais ameno :)

Valeu cara!